Introdução a fotografia [Parte III]

Já estamos passando da hora de falar sobre obturador e diafragma. Muita gente que trabalha com fotografia usa a câmera automático por que não sabe medir a abertura nem a exposição da imagem, faz apenas enquadrar. Então vamos lá. Antes de mais nada, vamos entender como funciona uma câmera artesanal, pinhole que tem o mesmo princípio da câmera escura: Uma caixa preta com um furo por onde entra a luz e um controle ou aba de fácil manuseio (pedaço de papelão usado como tampa) que controla o tempo que essa luz penetra na caixa. Entenda, dentro da câmera pinhole tem um papel sensível a luz, com a parte brilhosa voltada para o furo. Quando a luz entra, queima o papel formando as silhuetas do objeto. E temos um negativo! É necessário então, inverter para entender a imagem.

Algumas considerações sobre a breve explicação acima precisam ser feitas: 1) Quanto menor é o furo, mais nítido fica a imagem. 2) Como quem controla o tempo que entra a luz somos nós, aí está a velocidade. Que vai depender da quantidade de luz que temos. Se estamos em alto sol, meio dia, contamos rápidos 10’seg e já temos uma foto clara o suficiente. Portanto, quanto menos luz temos, maior é o tempo para iluminar uma composição.

Obturador permanece fechado e é somente acionado na hora do click, abrindo e fechando em frações de segundo para permitir a entrada da luz. Que, além de depender da luz, vai depender também da velocidade do objeto fotografado e do seu objetivo.

Diafragma calibado em “número-f” obedecendo a uma sequencia padrão (1.4, 2, 2.8, 4, 5.6, ..7..) Quanto maior o número, menor é a abertura do diafragma, maior a profundidade de campo.

Os dois devem manter um equilíbrio (sempre de acordo com o objetivo) pelo bem da boa foto.

Até a próxima dica! 😉

2 respostas para “Introdução a fotografia [Parte III]”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *