Criativo ou bizarro? Retratos de crianças por Bill Gekas

Bill Gekas é um fotógrafo que pensou em fazer algo bem cliché, essa era realmente a proposta. Brincar com fantasias, caras e bocas e deixando a naturalidade de lado. Claro que cada um tem o seu estilo e forma de ver a fotografia, assim como os objetivos são pessoais e independentes, o olhar e a criatividade também. Não posso negar que achei essa garotinha linda, mas a ideia me pareceu um pouco bizarra (sou gentil).

Criativo ou bizarro?

Começo logo respondendo: Os dois. Calma, eu explico o porque.

Quando fazemos um ensaio fotográfico, levando pela prática em si, o principal objetivo é contar uma história. Como, onde, porque, e qual enredo, fica a critério de cada fotógrafo. Essa história que o fotógrafo australiano resolveu contar é da sua própria filha (a mais velha) de apenas cinco anos de vida, inspirado em pinturas históricas de artistas como Caravaggio, Vermeer, Rembrandt, Raphael e Velazquez. Ai é a parte criativa, deu certo, ficou lindo o trabalho. Avaliando a composição e as comparações, levando em conta em quem ele se inspirou, já deu um grande motivo artístico ao trabalho dele. A bizarrice se encontra ao tirar a naturalidade da criança, colocando em condições nada a vontade, em poses, formas e roupas que não fazem nada o seu estilo. A impressão que eu tenho é que ela não se sente a vontade com naquelas formas.

Claro que a minha opinião segue a partir da minha subjetividade, e a minha subjetividade tende a valorizar a expressividade natural das crianças. Nem vou rejeitar um trabalho (ainda) grandioso como esse, e por isso divido aqui com vocês!

Após observar e avaliar, me conte o que achou!

temnafotografia-Athena-Ballerina

temnafotografia-Cameo

temnafotografia-Doilies-In-Delft

temnafotografia-Pears

temnafotografia-Pleiadian

temnafotografia-Rollers

temnafotografia-The-merchants-daughter

temnafotografia-The-Scholar

3 respostas para “Criativo ou bizarro? Retratos de crianças por Bill Gekas”

  1. Eu também gostei muito, e toda criança adora se vestir e “brincar de adulto”. Eu PARTICULARMENTE não classifico como bizarro, e sim, como uma expressividade e beleza impar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *