Caixa Cultural Rio de Janeiro recebe mostra de ícones da Fotografia Documental

A mostra Veias é recebida pela Caixa Cultural do Rio de Janeiro (Avenida Almirante Barroso, 25, Centro) do dia 23 de Outubro ao dia 08 de Novembro (meu aniversário, gente). São 165 fotografias selecionadas, todas possuem linguagem documental e se alinham rumo a fotografia de arte. O curador da exposição é o sueco Imants Gross e Luíz Prado, brasileiro, toma conta da produção.

Fotografia documental sobre a marginalização de alguns personagens da vida real que, provavelmente, você já observou ou conversou sobre eles em rodas de conversas com seus amigos. Preto & Branco e muito contraste  em volta de viciados, prostitutas, travestis, criminosos e outros personagens que fazem parte do conteúdo dessas fotografias pelos olhos do sueco Anders Petersen e do dinamarquês Jacob Sobol. Deixo a dica aqui no calendário do Tem Na Fotografia para quem estiver nos arredores da cidade maravilhosa!

10401880_389169524619380_7179522703329564213_n 11227602_389169531286046_7590844010883024105_n 11703323_413894115480254_8495014446309781685_n 11817125_414737908729208_8384136932111516014_n 11828541_415145328688466_8666921926267760433_n

Lampião, Maria Bonita e seu bando ganha exposição com fotos inéditas

Aos amantes do cangaço, ou de simplesmente boas fotografias históricas: O bando mais famoso do nordeste, Lampião, Maria Bonita e seu bando, ganha uma exposição inteirinha só para eles em São Paulo. A mostra reúne cenas do cotidiano dessa galera em um número de 100 fotografias e um vídeo de 14 minutos com o protagonista da história: O líder, Lampião. A exposição com o título de “Cangaceiros” (nada mais evidente e genuíno) ficará em cartaz até o dia 13 de Fevereiro, fique de olho nos detalhes ao final do post.

Uma curiosidade: Lampião, Maria Bonita e seu bando tinham o seu fotógrafo de preferência, Benjamin Abrahão, aquele que tinha passe livre para fotografar o dia-a-dia do grupo, mas além dele, a exposição conta com fotografias dos fotógrafos: Pedro Maia e Lauro Cabral de Oliveira e fotógrafo anônimos. Como sabem, Lampião, Maria Bonita e seu bando eram temidos por todo o nordeste e conhecidos pelas histórias populares do povo, quem tem parentes, amigos no nordeste, sabe que até hoje tem alguém para fazer jus à história desse bando, então era realmente muito difícil fotografar. A exposição tem o seu valor duplamente histórico: Pelos cangaceiros e pelo valor fotográfico.

Grupo_de_volantes___eram_grupos_armados_e_moveis_formados_por_policiais_militares_e_soldados_contratados._Fotografo_desconhecido_sem_data

A_familia_de_Lampiao_em_foto_de_gala__reunidos_em_Juazeiro

altar-de-lampiao-2

 

Lampião, Maria Bonita e seu bando: Mais detalhes da exposição:

 Local:  Mira Galeria de Arte ( Rua Joaquim Antunes, 187, Pinheiros / São Paulo  / (11) 2528 0409)

Entrada Livre

  • Segundas, Terças, Quartas, Quintas e Sextas das 10:00 às 18:00

  • Sábados das 12:00 às 17:00

Royal Photographic Society britânica abre exposição em Londres

Royal Photographic Society britânica inaugura exposição em Londres com relíquias dos primeiros anos da fotografia. A Royal Photographic Society britânica que é a mais antiga sociedade de fotografia do mundo, abre uma coleção de fotografias para o público de forma genuína.

Royal Photographic Society britânica

Royal Photographic Society britânica e a exposição

A sociedade de fotografia mais antiga do mundo, fundada em 1863, a Royal Photographic Society britânica (incentivada pela primeira vez, pelo rei Albert, esposo da Rainha Vitória), além de expor fotografias históricas, também expõe artefatos que se ligam com a história, como heliógrafos do inventor francês Nicéphore Niépce, um caderno de desenhos de Henry Talbot,  enfim, estamos falando de 250 mil imagens, 8mil artefatos e 31 mil livros, dentre periódicos e documentos. É uma bela quantidade para pesquisadores e estudiosos, principalmente para amantes da fotografia, não acha?

Sabemos que o rei Albert era um incentivador de muitas práticas culturais e artísticas, assim como incentivou a moda e a diversidade dela, incentivou que fosse documentado tudo o que se acontecia ao seu redor, assim como a própria evolução da fotografia e da sociedade. Veja mais imagens na galeria virtual da exposição, e caso esteja a caminho de Londres, não deixe de visitar o Museu da Ciência, ok?

Royal Photographic Society britânica2
“Estudo de movimento”, feita em 1926 por Rudolf Koppitz (Em exposição: Royal Photographic Society)
Royal Photographic Society britânica3
Foto chaminé, de Noel Griggs, feita em 1934 (Exposição: Royal Photographic Society)