Dúvida do leitor: Produzir um fundo infinito, é fácil mesmo?

Semana passada a dúvida foi sobre como produzir um fundo infinito. Pois então, caro leitor, tudo vai depender do tamanho e espaço que você tem para desenvolver o seu estúdio, OU pra qual propósito. Se for para produtos, por exemplo, você pode produzir cubos, quadrados portáteis (já que fica difícil pro cliente, levar os produtos para o estúdio). Mas se o objetivo é produzir um fundo alto para moda, por exemplo, aqui vão algumas dicas!

Tecidos

Alguns tecidos podem servir para a produção do seu fundo. Um deles é o brim, que apesar de ter uma pequena textura, quase imperceptível, é grosso, firme, pesado e absorve bem a luz (no caso do fundo preto). Eu sou super a favor da utilização do tecido, por conta da lavagem, secagem, manchas, e sujeira. É bem mais fácil de lavar e cuidar, assim, tem uma durabilidade maior.

produzindofundoinfinito-no-temnafotografia

produzindofundoinfinito-no-temnafotografia

Lona

Se o objetivo é um fundo branco em um tamanho menor e provisório (começo de carreira), a Lona na cor branca pode ser uma opção. Você pode fazer os pés, ou astes de ferro ou madeira, e por a lona bem esticada para facilitar o seu trabalho. A lona com brilho pode até ser pregada na parede até determinada altura para sobrar para um infinito bacana, mas não é muito indicado por conta da manutenção, mas não deixa de ser uma opção.

produzindofundoinfinito-no-temnafotografia

 

produzindofundoinfinito-no-temnafotografia

 

Artesanais e Cartolinas

Sem descartar as opções mais baratas, fáceis, e imediatas. Os papeis e as fitas duplas faces. Se for para produtos, como eu disse, menores você pode produzir uma caixa de papelão, ou  para bebês, você pode resolver com cartolina branca ou preta, e pode até usar aquele papel que chamamos de manteiga, que também absorve a luz.

produzindofundoinfinito-no-temnafotografia

 

Espero ter respondido direitinho a sua dúvida! 😉 Obrigada pela sua participação.

Dicas de Iluminação Parte VIII: Fotômetro de Mão, Snoot, Refletor base e colméia

Nossa última dica de iluminação do ano com Fotômetro de Mão, Snoot, Refletor base e coméia! Enjoy! 😉

 

Snoot: Para alguns, luz de cabelo. Acessório em forma de cone que projeta uma luz dura e marcante. Usado muitas vezes como luz de cabelo e outras vezes como luz principal de fundo. Existe em dois tamanhos: Curto – Luz aberta, Longo – Luz concentrada.

Fotômetro de Mão: Aparelho utilizado para medir a luz (incidente e refletida) do objeto fotografado. Permite a precisão na exposição.

Refletor base e coméia: Usado na maioria das vezes como iluminador de fundo. Se for usado como luz principal causa uma luz dura e sombras acentuadas. Com a colméia esse acessório passa a proporcionar uma luz mais suave e sombras mais leves.

 



 

Dicas de Iluminação parte VII: Sombrinha Difusora, Sombrinha Refletora e Tenda Dobrável

Falta pouco para as dicas de Iluminação chegarem ao fim e por isso estou dando um espaço maior entre as publicações!

Agora é a vez das sobrinhas queridas, Difusora e Refletora, e a Tenda Dobrável!

Sombrinha difusora: Permite uma luz suave e difusa (como o nome já diz) com sombras amenas, mas pode gerar uma leve perda de luz. Bastante usada em retratos (portraits), e é feita de um tecido translúcido, que ajuda na absorção da luz.

Sombrinha Refletora: Ao contrário da difusora, a refletora proporcionam um melhor aproveitamento da luz, dando um maior contraste as imagens. Disponível em três cores (prata, dourada e branca) a Sombrinha Refletora é bastante usada em fotografia de produtos.

 

Tenda Dobrável: O Formato é mesmo semelhante a de uma tenda,  e o objetivo é que livrar de qualquer reflexo indesejável no produto. Se faz fotografia de jóia então você precisa de uma tenda dessas! 😉

Até as próximas dicas! 😉

Dicas de Iluminação Parte VI: Girafa, Tripé e Fundo Infinito

Estamos chegando aos finalmente das dicas de iluminação, mas é só em quesito equipamentos. Em seguida partiremos para outra etapa das nossas dicas queridas! 😀

Para muitos esses três acessórios de hoje são bastante úteis e facilmente de entender o sua função na iluminação fotográfica.

Girafa – Ideal para iluminar lugares de difícil acesso, a Girafa é uma barra de ferro semelhante a um tripé, com um barra de ferro e ajustável para colocar tocha de flash. A Iluminação acaba por vir de cima, auxiliando em contorno, luz de cabelo, iluminação do fundo, podendo ser usada pra volumes e redução da sombra.


Tripé – Base composta por três pés articulados, usado para garantir estabilidade na imagem. Existem modelos para flash e outros para câmeras. Quando se predente um foco mais nítido, e profundidade de campo, o tripé ajuda bastante. Principalmente em fotografia de produtos, ele é mais que necessário.

Fundo Infinito –  Fundo monocromático com uma leve curvatura parecido com uma rampa, com o objetivo de evitar marcas de horizonte. Ideal para Look Book, por exemplo. O Fundo infinito existe de diversas formas e tamanhos, e é super fácil de fazer artesanalmente.

Alguma dúvida sobre iluminação?

Mande email para helosaraujo@gmail.com

Dicas de iluminação parte V: Hazy Ligth, Mini hazy ligth, Refletores parabólicos

Nas dicas de hoje, trago um pouco mais sobre acessórios que trabalham na distribuição da luz. Cada acessório desse vai distribuir a luz contínua de uma forma diferente, portanto cada um atende de acordo com a sua necessidade.

Hazy Light: É uma caixa difusora em tecido, fácil de desmontar, o tecido geralmente é dobrável e possui um difusor interno e outro externo. O seu formato é quadrado e existe em tamanhos pequeno, médio e grande. É acoplado na tocha de flash e sua saída de luz é bastante difusa e suave. Permite diminuição de sombras e leves contornos, ótima para retratos e fotografias de comida, quando se pretende mas clareza e definição sem saturações indevidas.

Mini Hazy Light: Tem objetivo bastante diferente do Hazy Light, parece mais com o refletor parabólico em tamanho maior (a seguir), em alumínio com rebatedor interno regulável e pode facilmente ser removível. A luz do mini Hazy é mais direta e superconcentrada, por conta do seu tamanho e de seu material, em contra partida, o seu difusor branco ajuda a oferecer uma luz mais suave refletida. Perfeitos para gerar maior volume, em corpos, e closes. Cuidado, quando mal usado o tamanho e forma podem ser aumentados, e os produto ou pessoa podem sofrer alterações indesejadas.

Refletores Parabólicos: As famosas “panelas” (semelhaça por causa do formto), esses refletores proporcionam uma luz altamente concentrada, sombras marcantes, bastante definidas. Pode ser curto ou longo, o primeiro cria uma luz média concentração o longo já acentua a luz gerando um contraste definido.

Dica de onde encontrar: http://www.famafotografia.com.br/

Dicas de Iluminação Parte IV: Fresnel, Tubo de base halógena e luz de modelagem

Fresnel:

Parecido com uma luz de cinema, é uma luz contínua com uma lâmpada halógena de 1.000 watts. Aquele efeito com luz dura com bastante contraste é produzido por este fresnel. No caso, quando usamos um fresnel com banderola quadrupla, já que possui uma lente especial, é possível direcionar a luz. A lente de fresnel foi inventada pelo físico Augustin-Jean Fresnel (por isso o nome).


Tudo de Base Halógena:

Nada mais é do que a fonte da luz contínua (a do fresnel, por exemplo) com lâmpadas de no mínimo 300 watts. Também produzem uma luz dura e contrastada.

 



Luz de Modelagem:

Como o nome já diz, é uma luz usada para verificar a incidência da lz e sombras no objeto a ser fotografado.

 

Claro que é super normal confundir os três ítens a cima, o importante é saber que um compõe o outro e os três se completam! ; )

Se tiver alguma dúvida ou sugestão, só mandar email para helosaraujo@gmail.com 😉

Uma ótima sexta pra você! 😉

Dicas de Iluminação Parte III: Cartão Cinza, Gelatina e Gobo.

Bom, como demorei pra continuar a nossa sessão estúdio, vou dar uma agilizada colocando mais de um acessório de iluminação por postagem, certo? 😉

Cartão Cinza: Os famosos gray cards, 18% são usados para conseguir uma exposição correta da luz na cena, tanto faz em fotos coloridas, P&B, digital ou analógicas, ótima dica para ajustar o balanço do branco! 😉

Gelatina: Folha transparente em diversas cores, usadas para colorir o fundo da cena e até outros motivos da foto! Tem gelatina de todas as formas, umas que vem acoplados no suporte que coloca na bandeira, mas você pode improvisar com folhas celofane! 😉

Gobo: Geralmente são feitos de madeira, foam, papel cartão, ou qualquer outro material que te da firmeza. Nada mais é do que um painel perfurado com formas, que na frente de uma luz contínua projeta imagens interessantes. O gobo também pode ser feito artesanalmente em um papel mais resistente e usado na lente, para obter o desenho de objetos como estrelas nos raios de luz.


Espero que gostem, até as próximas dicas! 😉

Illamasqua

Estava pensando em algo novo para a minha tag “Arte em Vista” e lembrei dos ensaios lindíssimos da Illamasqua e pensei “se encaixa muito bem aqui no Tem na Fotografia”!

A Illamasque é uma empresa de maquiagem londrina criada em novembro de 2009 que tem diversas influencias desde o lado obscuro e ilícito dos clubs de 1920 até as culturas alternativas. Como ela mesmo se define

Illamasqua é para o lado mais ousado ​escondido dentro de todos nós. É um ato de atitude. Um símbolo de tolerância. Uma celebração de idiossincrasias. A declaração confiante de auto-propriedade.

 É, Illamasqua mostra tudo isso mesmo em seus ensáios! Escolhi mostrar aqui o ensaio de primavera/verão 2011 “Toxic Nature” da Illamasqua que foi um dos que mais gostei, mas todos eles são perfeitamente elaborados.

Set: Andrea Cellerino
Fotografia:  Karin Berndl
Diretor de Criação da Illamasqua: Alex Box

Os ensaios da Illamasqua me chamam muito a ateção porque todo o processo é muito bem elaborado e o resultado é de arrepiar! Espero que esse post tenha instigado um pouco a criação de vocês! 🙂

Dicas de Iluminação parte II: Bandeira Quadrupla

Bandeira: O acessório (conectados em refletores), também conhecido como barndoors, se assemelha a uma janela, devido às quantro abas dobráveis em metal. Quando acoplada ao flash, junto com o refletor base, a bandeira ajuda a direcionar e controlar a intensidade de luz. O acessório também conta com um suporte para acoplar folhas de gelatina na base. (Newton Medeiros)

A bandeira quadrupla, bastante usada em estúdios de todos os portes, ajuda a direcionar a luz limitando a sua propagação. Com as gelatinas encaixadas, ajuda a mudar a temperatura da luz de acordo com o objetivo.

Gostou? Até a próxima dica! 😉